ICM e Gapi dinamizam a cadeia de comercialização agrícola

ICM e Gapi dinamizam a cadeia de comercialização agrícola

O Governo vai continuar a reforçar o Fundo Rotativo de Comercialização Agrícola (FRCA) e a contar com a parceria de instituições financeiras”- declarou o primeiro-ministro, Carlos Agostinho do Rosário durante as cerimónias centrais do lançamento da Campanha de Comercialização Agrícola 2021, realizada dia 16 de Abril, em Chongoene, Gaza. O acto foi enriquecido com a iniciativa dos gestores da Linha de Crédito à Comercialização Agrícola (LCCA) financiarem  três comerciantes operando em Cabo Delgado, Tete e Gaza num montante global de 11 milhões de Meticais. A LCCA é um instrumento do FRCA financiado e gerido pela Gapi e pelo Instituto Cereais de Moçambique (ICM) que até ao momento concedeu créditos a 167 comerciantes rurais na ordem dos 230 milhões de meticais.

A importância da actuação desta parceria ICM-Gapi foi reconhecida pelo primeiro-ministro que exortou “a que mais intervenientes se beneficiem e a actividade de comercialização agrícola permita a compra de grande parte da produção nos campos”. A cerimónia realizou-se sob o lema “Comercialização agrícola dinamizadora do agro-negócio e industrialização” e contou ainda com a presença do Ministro da Indústria e Comércio, Carlos Mesquita.

Os três comerciantes financiados no acto, representam a atenção que a LCCA presta a diferentes regiões do país, nomeadamente, Cornélio Seta de Balama, em Cabo Delgado, Jacob Paulo Benjamim, de Angónia, Tete, e Celina Manhique de Chibuto, Gaza.

Adolfo Muholove, Presidente da Comissão Executiva (PCE) da Gapi, referiu que, “estes beneficiários são parte de 167 que, ao longo de todo o país e desde que lançámos a LCCA, já receberam cerca de 230 milhões de meticais, que possibilitou a comercialização de cerca de 55.000 toneladas de produtos diversos, com destaque para milho, gergelim, feijões, soja, amendoim, arroz e, recentemente, castanha de cajú”.

Muholove destacou a necessidade de reforço desta linha para que a actividade de comercialização se torne mais abrangente e impactante: “esta linha tem um sucesso visível e contribui para a inclusão financeira, económica e social dos intervenientes, sendo um dos principais indicadores do seu sucesso, a taxa de reembolso do crédito, que está na ordem dos 98%. Os números são ainda pequenos se considerarmos o universo das necessidades, mas o nível de eficiência e os resultados até aqui alcançados, nos dão certeza de que este é o caminho a seguir”.

O ICM reconhece e enaltece o bom desempenho da LCCA e convida mais parceiros para que o reforcem. Para Mohamed Valá, director deste Instituto Público, “embora tenha ainda poucos recursos, é inegável o impacto significativo no meio rural, com o real acréscimo da renda familiar. Esperamos poder expandir o fundo, com a adesão de outros intervenientes para servir o objectivo principal que é dotar os comerciantes de capacidade técnica e financeira para comprarem os excedentes agrícolas e, consequentemente dinamizar esta actividade e, simultaneamente, alimentar a indústria”.

No evento foi revelado que uma das razões para o bom desempenho da LCCA é a metodologia de intervenção integrada que a Gapi implementa, na qual combina Serviços Financeiros, com a capacitação e assistência técnica dos beneficiários, para melhorar as suas capacidades de gestão, porque – conforme destacou Adolfo Muholove- “não basta dar crédito. É preciso reforçar a capacidade de gestão e actuação dos operadores e vincar o facto de que crédito é responsabilidade e deve ser reembolsado”.

Deixe uma resposta

Close Menu